Percorrendo a Toscana

Percorrendo a Toscana

Percorrendo a Toscana
Com paisagens deslumbrantes, incrível arte e arquitetura, e alguns dos melhores vinhos da Itália, a Toscana atrai viajantes de todo o mundo ano após ano. Os seus vinhedos e olivais criam um belo pano de fundo para as cidades medievais bem preservadas, onde você pode desfrutar o estilo italiano.

As duas maiores cidades da Toscana, a maravilhosa Florença e a inesquecível Pisa dispensam comentários. O que eu gostaria de citar neste momento são os pequenos povoados e cidades da Toscana, afinal eles cativam os visitantes de uma maneira especial.

Rua em Lucca - Toscana - Italia

1 – Lucca

Nenhuma visita a Lucca será completa sem se deixar perder por suas ruas estreitas. Durante o passeio, com certeza você irá encontrar uma igreja quase que imediatamente – há 99 delas em Lucca.  A Piazza dell’Anfiteatro traça as linhas do antigo Anfiteatro Romano. No alto de suas muralhas do século XV que rodeiam a cidade dá pra caminhar e contemplar uma linda vista.

Volterra - Ruínas do Anfiteatro Romano - Toscana - Itália

2 – Volterra

Não se pode falar de Volterra sem pensar no Alabastro, o artesanato artístico tem história e a nobreza de tradições que podemos respirar em todos os cantos. Do alto de suas colinas podemos vislumbrar as planícies toscanas a perder de vista. Seus 3000 anos de história etrusca, romana e medieval  podem ser explorados em vários locais e museus.

San- Gimignano - Toscana

3 – San Gimignano

Com seus arranha-céus medievais, a linha do horizonte de San Gimignano é uma das que mais se distingue na região. Quatorze de suas setenta torres permanecem, mas San Gimignano também possui belas igrejas, museus e conventos da idade média.

Muralha - Monteriggione - Toscana - Itália

4 – Monteriggione

Com 14 torres, a sua muralha de blocos de pedra permanece intacta. Possui uma igreja do século 14 (Santa Maria Assunta) e no centro da cidade você irá encontrar uma lojinha que vende peças de artesanato.

Piazza del Campo - Siena Toscana - Itália

5 – Siena

A Piazza Del Campo é indiscutivelmente a mais bela praça pública na Toscana. Pouco mudou desde o século 14, Siena parece perdida no tempo. Felizmente, a maior parte da cidade está fechada para carros. Arte excepcional do início do Renascimento e uma cultura local vibrante – melhor retratada no Palio di Siena, uma festa típica, onde o destaque é a corrida de cavalos que acontece na praça –  Siena é um destino de visita obrigatória.

Vinhedo - Montalcino - Toscana - Itália

6 – Montalcino

Os amantes do vinho devem fazer uma peregrinação aqui para provar o Brunello di Montalcino, um dos melhores vinhos tintos da Toscana. Adegas de vinho na cidade estão disponíveis para degustação. Você  também pode organizar uma visita a uma das vinícolas nas proximidades.

Pátio - Palazzo Piccolomini - Pienza - Itália

7 – Pienza

Olhando de fora, Pienza parece mais uma cidade em uma colina da Toscana, mas, graças a sua associação com o Papa Pio II, Pienza possui um complexo renascentista soberbo projetado por Alberti.  Enquanto estiver aqui, não deixe de provar o queijo Pecorino de renome mundial.

lago-de-iseo

Lago de Iseo, Monte Isola & Cia.

lago-de-iseo
Os Lagos di Como e di Garda sempre estão entre as paradas de sucesso quando pensamos em lagos na Itália, mas o Lago de Iseo não perde em nada em relação a beleza e encanto mesmo  não sendo tão conhecido e reverenciado.

O lago está localizado bem próximo a Milão (menos de 100 km). Pra quem está em Milão e quiser ir de carro, basta pegar a rodovia A4, o lago fica entre Bergamo e Brescia, próximo a Rovato, basta seguir as sinalizações ou usar o “velho” (nem tanto) e bom GPS. Em nosso caso foi tranquilo, já que estávamos indo de Milão a Veneza de carro e teríamos que pegar a A4 de qualquer maneira. Se não estiver de carro, relaxe, você pode ir de trem de Milão até Rovato e de lá pegar um ônibus para Iseo.

A cidade de Iseo está na região vinícola de Franciacorta, você nota isso ao passar pelos belos vinhedos no caminho. Uma boa pedida para quem tiver com tempo é dar uma paradinha para uma visita em uma vinícola e até mesmo degustar um bom espumante, infelizmente nosso tempo estava curto e não foi possível.

porto-iseo

Iseo é aconchegante e pode até render um bom passeio, mas o objetivo mesmo era visitar Monte Isola, que fica bem ao centro do Lago. O acesso a ilha pode ser feito de balsa ou através de um barco entre as dezenas que saem de Iseo , Sarnico e outros povoados que rodeiam o lago.

monte-isola

O tráfego de veículos em Monte Isola é proibido, mas você pode explorar a ilha através de um ônibus municipal, a pé ou alugar uma bicicleta no porto. A volta completa pela ilha deve durar no máximo 60 minutos de bicicleta andando a uma velocidade lenta. Elas são alugadas normalmente por um período de 3 horas, portanto há tempo suficiente para o passeio e até mesmo para um mergulho em alguns pontos da ilha.

bicicleta-monte-isola

Na hora do almoço, optamos por comer uma boa pasta caseira em um pequeno café a um preço bem popular, mas pra quem quiser degustar um bom peixe, vai encontrar bons restaurantes na ilha para poder apreciar suas especialidades.

isola-de-loreto

Bem próximo a Monte Isola está a Isola di Loretto que não pode ser acessada. Trata-se de uma pequena ilha ocupada por um castelo neogótico do século XIX. A ilha foi comprada pelas Irmãs de Santa Clara de Brescia, que edificaram um convento. A estrutura foi abandonada anos depois e vem passando por diferentes mãos de condes, membros da realeza e capitães da Marinha. Dizem que até George Clooney tentou comprá-la, porém faltam dados para saber se isso realmente aconteceu. O que sei mesmo é que se a Isola di Loreto pudesse ser acessada, não deixaria de ser uma boa pedida.

Vai viajar para Miami ou Orlando? Saiba quais datas deve evitar.

Vai viajar para Miami ou Orlando? Saiba quais datas deve evitar.


O planejamento é uma das fases mais especiais e importantes de uma viagem, algumas pessoas ainda gostam do improviso e da liberdade durante uma viagem internacional, já fomos assim; viajantes mochileiros com muito espírito de aventura e dispostos a encarar as surpresas do caminho. Hoje percebo que apesar de algum divertimento, foi uma total loucura, mas só a experiência nos faz perceber que se perdem grandes oportunidades (lugares, descontos e novas descobertas) e que o planejamento enriquece significativamente uma viagem.

O primeiro passo para planejar a viagem é marcar uma data e saber quantos dias terá sua viagem. Depois disto comece pela passagem, busque ter um pouco de flexibilidade, pois assim conseguirá um bom desconto. Por exemplo, se sua idéia é iniciar sua viagem em um final de semana, veja a possibilidade de mudar para segunda ou terça-feira, os preços das passagens costumam ser melhores nestas datas. Veja também se tem algum feriado ou evento acontecendo antes de comprar a passagem, pois a data é muito importante, você pode querer fugir do tumulto, ou ao contrário, querer aproveitar um evento especial que acontecerá durante sua viagem.

Datas que se puder você deve evitar:

Temporada de furacões em Miami começa no início de junho e vai até novembro

President`s Day weekend –  Terceiro final de semana de fevereiro

Alta-estação Março –  9/3 à 31/3, principalmente nos feriados por causa das férias de primavera nas escolas (Spring Break)

Páscoa –  1/4 à 14/4

Verão – 1/6 à 4/8 (principalmente nos feriados)

Fins de semana de outono – 28/9 à 20/12 (principalmente nos finais de semana dos feriados: Columbus Day 5/10 à 7/10 e  Thanksgiving, 19/11 à 22/11)

Natal e Reveillon– 21/12 à 31/12

Economizando tempo e dinheiro na Disney

Economizando tempo e dinheiro na Disney


O megacomplexo  da Disney World em Orlando é verdadeiramente uma cidade em si. Um conglomerado de parques, hotéis e centros de lazer e comerciais além de outros tantos parques que não pertencem a Disney mas que converteram Orlando no centro de lazer familiar dos Estados Unidos. Se está pensando em passar alguns dias em suas próximas férias, deixamos aqui alguns conselhos para economizar tempo e dinheiro.

Quando ir?

Escolher a data da viagem é fundamental. Aqui entram muitas variáveis a se considerar, desde sua disponibilidade de dias livres até evitar os momentos em que os parques se enchem por completo.  Os melhores meses para ir são abril, maio, junho, setembro e outubro, quando os parques estão menos saturados de visitantes. Em 2011 estivemos por lá no final de abril e no começo de maio e foi muito tranqüilo, já este ano fomos em julho e depois do dia 15 a coisa começou a complicar. Outro momento a ser evitado são os finais de semana, procure evitar os parques nos finais de semana, são os dias em que ficam mais lotados, aproveite para fazer compras nos outlets que não devem nada para Miami.

Quanto tempo ficar?

Uma coisa é certa, não importa a quantidade de dias que dedique, você sempre achará que faltou algo. Como dito antes, além dos parques da Disney existe uma infinidade de ofertas anexas: parques aquáticos, aquários, estúdios de cinema, etc. Estude as alternativas e o que mais te interessa e seja conveniente, isso tudo depende também de como seu grupo está formado. Se tem filhos muito pequenos, lembre-se que existem atrações e áreas especialmente preparadas para eles, mas as outras estarão proibidas, portanto programe-se com sua esposa ou seu marido o revezamento para cuidar dos filhos enquanto um dos dois desfruta das atrações onde as crianças não podem entrar.
Organize uma agenda preliminar (não é o caso de levar tudo pautado) que te ajude a estabelecer onde buscar o hotel adequado para que não fique tão longe das principais atrações que irá visitar, pode também comprar as entradas antecipadamente, evitando assim as filas de acesso.

Compre os tickets necessários

Parece mas não é óbvio uma vez que tenha suas prioridades, estude bem todas as opções de pacotes de entradas combinadas. Também não é uma tarefa tão simples já que existe uma infinidade de passes e combinações possíveis, se estudá-las bem e com seu roteiro preferido em mãos, poderá economizar uns bons dólares.

Prepare seu roteiro

Os parques da Disney são enormes. Se for sua primeira visita, leve um roteiro básico do que você quer visitar em cada parque,se fizer isso a olho irá perder um bom tempo e isso é dinheiro… Em todos os parques você ira encontrar os mapas, inclusive em português, mas você pode planejar antecipadamente as atrações desejadas baixando da internet os mapas de diversos parques. Isso já será um motivo a mais de entusiasmo antes mesmo de sair de casa.
Uma vez nos parques, tenha em mãos o guia dos horários do dia e da semana disponíveis para uma parada por exemplo. Irá servir também para organizar o final do dia e não perder os espetáculos de luz e som.

Adquira um FastPass

Muitos querem repetir uma atração favorita, mas ao ver as enormes filas acabam se desencorajando. Uma boa alternativa é usar o FastPass, um ticket gratuito que se encontra nas principais atrações. Ele permite agendar entre um horário predeterminado para uma atração e entrar por uma fila muito menor. Quando você for visitar uma atração, irá reparar que tem 3 filas, da entrada geral, da entrada com FastPass e a das máquinas para retirar o FastPass. Escolha bem a atração que você quer para utilizá-lo, pois a partir do momento em que você imprimiu um, existe um período de tempo para que possa imprimir outro, basta olhar no ticket a partir de que horário você poderá adquirir outro.

Vantagens para quem está sozinho

Se estiver viajando sozinho ou se apenas você quer encarar uma determinada atração, aqui vai uma dica muito importante e que muita gente talvez nem saiba. Muitas atrações tem uma fila especial para os individuais, ou seja, não terá que esperar a acomodação de 3 ou 4 famílias  numerosas diante de você. Em atrações como Mission Space ou Test Track encontrará essa opção, chama-se Single Ride.

A hora da comida

Aqui não há muito mistério. Não é permitido entrar com comidas e nem bebidas, portanto deverá ser consumido o que é oferecido nos parques (diversos tipos de serviços e menus). Claro que em sua mochila poderá levar algum lanche ou biscoito, além da tradicional garrafinha de água que você pode comprar em qualquer supermercado.

O melhor é comer em horários diferentes do habitual para evitar as famigeradas filas. Para o almoço talvez o melhor seja por volta das 14 h, já para a janta a partir das 20 h é um bom horário.
Se estiver hospedado em algum dos hotéis da Disney, considere o “meals ticket” que por uns 35 dólares diários para um adulto dão o direito de comer em um restaurante, em um fast food e um lanche. Também pode se utilizar os créditos deste abono para trocá-los por bilhetes para obras de teatros musicais dentro da Disney.

Se alguém tiver mais alguma dica importante, fique a vontade para deixar nos comentários.

Dicas para tornar sua viagem mais barata.

Dicas para tornar sua viagem mais barata.


O gasto em uma viagem depende do viajante. Claro que existem destinos mais econômicos que por si, tornam  o ato de viajar barato uma tarefa menos difícil, mas em outros momentos, organizar uma viagem  por conta própria para um destino menos econômico, fugindo das “tarifas turista” , acaba ficando mais complicado.

Se você quer viajar e não dispõe de um orçamento alto,  deve levar em conta alguns detalhes importantes para fazer a sua viagem mais barata, como reduzir um pouco algumas necessidades e nível de conforto sem precisar recorrer as táticas de um “Mochileiro Extremo”.

Então para tornar sua viagem mais barata, deixamos aqui algumas dicas:

1. Tente não comer em aeroportos. Os preços são sempre abusivos e a qualidade deixa muito a desejas, sendo assim, se não for imprescindível, coma antes de ir ao aeroporto ou espere até chegar a cidade.

2. Evite compras em zonas que identifique como “turísticas”. A fatura pode duplicar o preço que pagaria em um local a poucas quadras mais afastadas do centro.

3. Sempre que puder, viaje durante a noite quando for se deslocar para outra cidade ou país, assim poderá economizar a estadia de uma noite. Muitos trens realizam trajetos com leitos que são relativamente confortáveis. Algumas companhias de ônibus também contam com veículos muito bem preparados para dormir com muita comodidade. Nos Estados Unidos, em alguns países da América Central e aqui mesmo na América do Sul existem esses serviços, um pouco mais caros que o standard, porém mais barato do que custaria uma noite no hotel, se contarmos o preço da passagem inclusa. O inconveniente é que não poderá ver a paisagem durante o trajeto.

4. Limite os saques nos caixas automáticos. Tenha em conta que quando fizer um saque em outro país, pagará uma taxa extra. Organize-se de uma maneira que possa sacar dinheiro para uma quantidade maior de dias, assim também poderá controlar melhor seus gastos. Além disso, dependendo do país, ir sacar dinheiro em um caixa automático pode se tornar perigoso, é melhor reduzir as possibilidades de ser assaltado.

5. Informe-se periodicamente da cotação da moeda do país que está, isso será útil para não cair em nenhum golpe ou sofrer abusos quando for fazer o cambio da moeda. Calcule aproximadamente o gasto que terá nos dias em que ficar no país, pois quando for deixá-lo e estiver com dinheiro sobrando, terá que voltar a pagar a comissão para fazer um novo cambio.

6. Algumas pessoas tem dificuldade em pechinchar, mas em muitos países isso até faz parte da cultura e você tem que participar. Aliás, o preço oferecido numa primeira comunicação pode ser o dobro ou o triplo do preço real, então não se faça de rogado na hora de pechinchar, você verá que isso fará muita diferença no seu dia a dia de sua viagem.

7. Quatro pessoas é um número interessante para se viajar mais barato. Permite contratar tours para um grupo e assim ter a opção de decidir o itinerário e atividades. Estando em um número maior de pessoas também facilita para alugar um carro e dividir as despesas, que acaba se tornando mais barato em viagens longas ou para contratar um trajeto de barco em alguns locais. Se não conseguir reunir quatro pessoas, viajar com um acompanhante também reduz os custos, já que sempre é mais barato reservar um quarto duplo do que um quarto individual.

8. Se puder se hospedar em um hostel com direito a uso da cozinha, poderá reduzir o gasto em comidas, você pode até ingressar na gastronomia local preparando o seu almoço ou jantar, fazendo compras em supermercados locais. Essa é uma boa forma de economizar  e de quebra poderá utilizar o dinheiro economizado para  poder curtir um restaurante melhor  em determinados dias. É só mesclar com sabedoria.

9. Para a hospedagem, informe-se antes chegar ao destino em um guia através da Internet, pesquisando onde estão os hotéis mais econômicos no local. Uma ótima opção para se fazer isso é através do Trivago , onde você poderá comparar preços de hotéis e encontrar ótimas ofertas. Formalize a reserva antes de chegar, assim não vai cair nas mãos dos “caçadores de turistas”, que esperam em estações e aeroportos e que cobram comissões dos hotéis para levar clientes, com certeza você acabará pagando mais caro por isso.

10. Evite compras compulsivas. Quando visitamos um país, tudo parece novidade e muito tentador, mas quando voltamos, não encontramos nenhuma utilidade e nem um bom lugar para muitas das compras que fizemos e a maioria de alguns desses souvenires acabam armazenados em caixas. Escolha o que comprar com prudência.

Estas são apenas algumas dicas gerais que podem nos ajudar a reduzir o orçamento em viagens, mas existem recomendações específicas, dependendo do destino ou do tipo de viagem.

Alguém conhece mais algumas dicas para viajar barato? É só deixar aqui, comente!

Blog com dicas de viagem: aventura, passeios e turismo para quem ama VIAJAR!